P. Antonio Dubena, L.C.

 pantoniodubena

Vocação de ser padre.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

 

Sou Antônio, filho de Nestor Dubena e de Tereza Borodiak Dubena, da cidade de Pitanga, minha família é do interior, o lugar se chama Voraz de Cima, está a 30 quilômetros de Pitanga. Sou o quarto de sete filhos. Cinco homens e duas mulheres. Uma família simples, mas muito feliz e unida onde Deus tinha e tem sempre um lugar privilegiado. Todas as noites antes de dormir nós rezávamos o terço em família. O exemplo dos meus pais de fervor e sacrifício era a melhor escola para aprender colocar Deus no lugar que corresponde em nossa vida. Apesar do cansaço e sono o tempo de Deus era respeitado.

Desde pequenos aprendemos o valor do trabalho e o custo das coisas. Como sou de uma família pobre nunca tive mordomia, mas pelo contrario se precisava de alguma coisa não bastava pedir, mas sim trabalhar para poder comprar, e mesmo assim nem sempre era possível. Mas o que conta è que o principal nunca faltava, o amor.

Sempre tive uma vida bem sofrida como quase todos desta belíssima região central do Paraná. Para o estudo não era diferente. De quinta a oitava serie estudei na Barra bonita, a 10 quilômetros de casa. Já para o segundo grau a distancia do colégio aumentou para 30 quilômetros. Depois de trabalhar o dia todo na roça, estudava à noite. Para ir a escola saia de casa pelas cinco da tarde para estar chegando ao colégio pelas 7:30pm, e a mesma coisa de regresso, chegando em casa não antes da meia noite, quando tudo ia bem. Para no dia seguinte começar trabalhar novamente pelas sete da manha.

Desde o ano 1995 quando meu irmão mais velho, Claudio entrou no seminário sempre me falava de como era o seminário, e mesmo sem eu me dar conta Deus estava preparando um plano para mim, ou melhor, tinha um plano que eu devia descobrir pouco a pouco. Depois disso em 1997, outro meu irmão, Jucelito entrou no seminário Ucraniano em Prudentópolis. Com isso eu também começava e pensar e considerar esta possibilidade, pois não tinha nada contra, e pelo contrario sentia um desejo de fazer algo grande de minha vida dedica-la a servir as pessoas, pois isso me fazia feliz. Seguindo também o exemplo do meu pai, Nestor, que sempre trabalhou para a igreja e que foi duas vezes presidente da igreja na localidade, e que sempre em todas as festas da igreja dedicava todo o fim de semana desde quinta-feira pela tarde para trabalhar e ajudar a organização da festa e sempre com grande alegria por estar fazendo algo não por dinheiro, que não tinha remuneração, mas sim por Deus e pelos demais.

Com isso eu fui percebendo que Deus esperava algo assim da minha vida, e que não queria que estivesse dedicando parte do meu tempo a Deus somente nos fins de semana de festas, mas sim, que eu dedicasse toda a minha vida a Ele. Sentia que me chamava a uma missão grande, mas ainda não sabia o que era.

Assim pouco a pouco fui sendo generoso com Deus, pedindo a Ele por meio da oração luz a meus passos no caminho que Ele tinha para mim. Assim no ano de 2002 fui pela primeira vez conhecer o seminário em Curitiba. Foi a primeira vez que alguém me convidou para conhecer um seminário. Gostei muito e me senti muito feliz ali. Nunca tinha estado antes em um seminário, nem sabia o que existia ali e como era. Fiquei impactado ao ver jovens da minha idade seguindo este caminho e todos muito felizes, realizados por estar gastando a vida por quem realmente vale a pena. Voltei à casa decidido a consagrar toda minha vida a Cristo.

Dia 03 de janeiro de 2003, depois de ter acabado o segundo grau no colégio D. Pedro I em Pitanga, saí de casa com destino a São Paulo para iniciar o caminho no seminário maior com os legionários de Cristo. Depois de dois de candidatado recebi o uniforme: A batina negra. Foi um dos dias mais felizes da minha vida. Para mim foi o passo definitivo. Estava muito feliz por sentir que estava no lugar certo. Não é que eu tenha recebido uma aparição de um anjo para me dizer que eu tenho vocação de ser padre. Mas descobri a vocação sabendo escutar o que Deus falava ao meu coração. Primeiro Ele fala a você e vai colocando as pessoas no teu caminho para que ajudem a encontrar o caminho que Ele pensou para você. E como posso ter certeza que este é o caminho que Deus pensou para mim? Como saber se esta é a minha vocação? É uma boa pergunta, que tem uma resposta muito simples. A vocação è uma resposta pessoal a uma chamada de Deus, pois “não foram vocês que me escolheram, Fui Eu que os escolhi” (Jo, 15, 16). É a alegria e felicidade de estar neste caminho. Deus mostra que você esta no lugar certo, fazendo que você esteja feliz fazendo o que está fazendo. Não sem dificuldades, mas com paz serenidade e muito alegria.

Depois disso a minha formação ate agora se desenvolveu da seguinte maneira: Estudei dois anos de noviciado em São Paulo, Arujá. Depois dos quais emiti a profissão dos meus votos por três anos. Em junho de 2005 fui para Salamanca, Espanha, para fazer um ano de Humanidades Clássicas. Al final do mesmo eu fui para Roma, Itália, para iniciar os meus estudos de filosofia. Depois do biênio de Filosofia, acabando o bacharelado, saí para trabalhar três anos na pastoral. Realizei este trabalho em Curitiba, durante um ano na promoção vocacional e outros dois anos como formador no seminário menor.

Ao concluir os três anos eu voltei à Cidade Eterna para iniciar os meus estudos de teologia, na reta final rumo o sacerdócio. Neste período colaborei também como assistente de um grupo de filósofos. No meu terceiro ano de teologia colaborei auxiliando um grupo de teólogos na parte académica, como auxiliar de estudos. No dia 29 de Junho fui ordenado diácono, na capela do Centro de Estudos Superiores de Roma, justo no dia do meu aniversario de Batismo.

Depois da ordenação diaconal estive por um período de um mês fazendo um curso de formadores de seminários, onde me ajudou a conhecer um pouco mais a realidade que enfrentaria em seguida no meu ministério. Depois de ter feito este curso, e depois de ter passado uns dias de férias em Nápoles, viajei para Itapecerica da Serra, São Paulo, Brasil, para iniciar meu ministério como formador no seminário. Ajudo como formador de seminaristas no seminário. Em poucos dias viajo para Roma Para a grande data das ordenações Sacerdotais, que com a Graça de Deus será no dia 13 de dezembro às 10:00 da manha, na Basílica de São Joao de Laterão.

P. Antonio Dubena, L.C.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone