Archivos de la categoría: Uncategorized

P. Luis Fernando Costa, L.C.

“Consagrado a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro…”

Uma coisa é certa: a vocação já está plantada em nós como um pequeno grão, como uma semente em nossos corações. Foi essa certeza que eu sempre levei comigo em minha vida, mas nós precisamos ir amadurecendo esse chamado do Senhor.

 

Desde pequeno eu queria ser padre, e gostaria muito de ser médico também, mas como somos pequenos, às vezes não pensamos muito nesse dom do sacerdócio, e é nos acontecimentos da vida onde Deus começa falar ao nosso coração e consolidar esse chamado que é Dele mesmo. E é aqui que entra minha família e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro…

Agradeço a Deus cada dia por ter crescido numa família católica que me ensinou os valores e a fé. Esta é a semente da minha vocação sacerdotal, pois eles foram os instrumentos onde Deus quis colocar o chamado. Lembro que na minha casa sempre rezávamos e iamos à Missa, e era algo que não tinha escolha, pois Deus era o primeiro; isso ficou muito marcado em mim. Era na Missa onde eu mais era tocado por esse chamado de Deus ao sacerdócio; foi nas Missas das quartas-feiras onde havia a Novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, onde começou minha vocação, pois eu fiz uma consagração à Ela, dizendo: “Mãe, eu sinto isso no meu coração…eu quero curar o corpo, mas eu também quero curar a alma das pessoas… eu prometo vir aqui todas as quartas-feiras, mas você mostre o caminho que eu devo seguir…Mãe, te consagro minha vida e vocação, mas nos momentos difíceis seja você a minha mãe do perpétuo socorro”. A partir desse dia eu comecei a rezar um mistério do terço todos os dias por essa “consagração” que fiz a Maria, e sempre fui nas Novenas das quartas-feiras, como uma promessa de amor a Maria, para que Ela guiasse aquilo que estava nascendo no meu coração. Para minha família eu não disse nada sobre isso, mas minha mãe percebia que eu estava diferente, e isso ela me disse…

Com o passar do tempo, eu tinha cada vez mais a certeza de que Deus me chamava para ser sacerdote; eu via os padres nas Missas, e dentro de mim crescia cada vez mais o desejo de doar minha vida como eles, para que Deus fosse mais amado no coração das pessoas. Nesse período eu busquei conhecer melhor a vida sacerdotal; fiz encontros vocacionais, conversei com alguns padres, mas sobretudo foi a minha família que me apoiou 100% para seguir a Jesus no sacerdócio.

No ano 1999 fiz vários encontros vocacionais, e foi nesse ano que encontrei os Legionários de Cristo, que seria a confirmação da minha vocação sacerdotal. Desde o primeiro momento tinha a certeza que Deus me chamava à vida religiosa e sacerdotal como sacerdote Legionário. Muitos fatores me impressionaram: a maneira de ser, de vestir, o espírito de oração, mas sobretudo a alegria, pois em definitiva, quando Deus nos chama para qualquer missão Ele quer que sejamos felizes, e desde esse momento sempre sempre fui muito feliz, pois tinha a certeza que Deus me chamava para seguí-lo ali dentro. Nesse ano de 1999 falei bastante com meu diretor espiritual que era uma sacerdote Legionário, e ele me animou a entrar no seminário, coisa que era já certo no meu coração; ele sempre me disse: “onde você se sente feliz, em paz, aí é o sinal de que Deus está agindo na tua vida e te chamando…só fazendo a experiência do Amor de Deus dentro do seminário, só assim você terá a confirmação do Seu Chamado…”. Essas palavras foram decisivas para que eu entrasse no seminário e foram palavras que me acompanharam sempre na minha vida.

No ano seguinte, 2000, entrei no seminário dos Legionários em Curitiba; era o dia 07 de janeiro, dia do meu aniversário, e sempre considerei como um presente de Deus para mim, pois eu estava muito feliz e contente. Aí dentro fiz meu ensino médio e fiz muitos amigos, verdadeiros amigos e irmãos, que nos divertimos muito e crescemos juntos no caminho de fé também. Percebi cada vez melhor que Deus chama a muitos, mas não todos ficam, pois Deus tem um plano para cada um. Esses amigos são amigos para sempre, mas muitos deles já estão casados e tal; eu nunca tive dúvida que Deus me chamava para ser padre, e isso eu fazia crescer sempre no meu coração.

No ano de 2003 chegou o momento de ir para São Paulo para iniciar o Noviciado, um período de dois anos de mais oração e recolhimento na vida religiosa. Por um lado havia a emoção da novidade, mas por outro havia também a saudade de casa, da família, isso nunca afetou, mas como somos humanos, às vezes batia aquela saudade de casa, dos familiares e das coisas, e isso eram as provas que Deus pedia a cada dia: “quem quiser me seguir, tome a sua cruz e me siga, com amor…”. No Noviciado tínhamos adoração ao Santíssimo todos os dias, e nesse momento eu colocava tudo isso nas Mãos de Deus, para que Ele curasse as saudades e desse força; Deus nunca nunca abandonou nesse sentido, e Nossa Senhora do Pérpetuo Socorro continuava tomando o lugar da minha mãe cada vez mais fortemente; Maria sempre estava ali junto comigo, e isso eu vi em todos os momentos da minha vocação, era Ela.

Terminado o Noviciado chegou o momento de passar para Salamanca na Espanha para os estudos humanísticos (latim, grego, literatura, história). Novamente a novidade, agora de estar na Europa e viver essa oportunidade de benção de Deus. Aí permaneci 1 ano inteiro, e só tenho que agradecer a Deus por essa oportunidade única em minha vida. Nos anos de 2006 a 2008 estive cursando a faculdade de Filosofia em Roma; imagina, Roma, o Papa, o centro do Cristianismo…isso era motivo de muita alegria para mim e de motivação para ser um sacerdote santo. Na minha história vocacional o una de qualquer um, sempre existem dificuldades, mas é o amor que transforma tudo; quando eu me sentia um pouco pra baixo, a certeza que Maria estava ao meu lado me erguia novamente; eu sempre senti que Maria guiava tudo o que eu fazia, e isso só aumentava o desejo de ser sacerdote do Seu Filho Jesus, e essa certeza transformava as dificuldades, e nesses momentos a frase de São João da Cruz falava sempre ao meu coração: “onde não exista amor, coloque amor e acharás amor…esse era o Amor de Cristo me me havia escolhido”.

Nos anos de 2008 a 2012 fui enviado para trabalhar como promotor vocacional em Porto Alegre-RS. Palavras para descrever esses anos lá eu não tenho, pois foram os anos mais felizes da minha vida eu acho; eu amava o meu apostolado e era amado por todos, porque quando você ama as pessoas como Jesus as amava, elas retribuem da melhor forma. Esses anos de pastoral no RS foram anos de profunda gratidão a Deus, de crescimento na fé e no amor pela minha vocação, e de eternas amizades, pois as pessoas que encontrei lá as levo sempre no meu coração, na minha oração e na minha vida como pessoas que Deus mesmo colocou no meu caminho e que foram sinais de que Deus me amava muito; e isso eu sinto exatamente agora que estou em Brasília, me sinto amado de verdade, pois sou Jesus para cada um daqueles que eu encontro, e isso é motivo de imensa felicidade.

Depois de tudo isso chegou o período final dos estudos em Roma, do Mestrado em Filosofia e do Bachalerado em Teologia. Esse período foi tranquilo, mas ao mesmo tempo exigente, pela quantidade de coisas que tinha que estudar, e vendo que se aproximava a ordenação. A certeza de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro ao meu lado se consolidava cada dia mais e mais. Nesse período meu pai teve um câncer e faleceu; como era difícil consolar a minha família, mas precisando ser consolado também; tenho a certeza que foi Maria quem enxugou as minhas lágrimas de filho; minha mãe estava longe, mas Maria tinha assumido muito bem o lugar dela. A certeza de que Deus me pedia ser sacerdote Legionário sempre permaneceu firme no meu coração e isso era a minha alegria cada dia.

Finalizado os meus estudos teológicos fui ordenado diácono em Curitiba, no dia 22 de julho de 2017, e comecei meu ministério na cidade de Brasília-DF atendendo os jovens e adolescentes. No próximo dia 16 de dezembro de 2017, serei ordenado sacerdote de Cristo, e quero que minha vida seja exatamente o que São Francisco de Assis escreveu na sua oração, que foi a oração que fiz todos os dias no meu período de estudos teológicos em Roma, e que coloco aqui no meu testemunho vocacional também. Em agradecimento a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro por tudo o que Ela foi e é para mim e minha vocação, escolhi a Igreja Dela como lugar da minha Primeira Missa Solene como sacerdote, pois se tenho essa Graça foi porque Ela me amou, guiou, acompanhou e confortou em cada instante da minha vocação.

Nossa Senhora, seja sempre a minha Mãe do Perpétuo Socorro!

Senhor, fazei de mim um instrumento da Vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna
.

O Pe. Luís Fernando Bueno é brasileiro, paranaense (região sul do Brasil) e nasceu no dia 07-01-1986. Ingressou no Seminário menor dos Legionários de Cristo em Curitiba no ano 2000, onde cursou o Ensino Médio, pasando no ano de 2003 ao Noviciado de Arujá em São Paulo. Finalizado o Noviciado, iniciou os Estudos Humanísticos em Salamanca, Espanha, de 2005 a 2006. Logo após, durante os anos de 2006 a 2008 cursou o Bachalerado em Filosofia no Ateneo Pontifício Regina Apostolorum de Roma, Itália. Em 2008, iniciou seu período de pastoral em Porto Alegre-RS-Brasil, onde trabalhou por 4 anos na promoção vocacional e na formação dos jovens e adolescentes na Seção de jovens e Ecyd. Em 2012 retornou à cidade de Roma para seu período de Mestrado em Filosofia, com a especialização em Antropologia, que finalizou em 2014. De 2014 à 2017, cursou e obteu o título de Bachalerado em Teologia pelo mesmo Ateneo Regina Apostolorum de Roma. Atualmente é o diretor da Seção de jovens e do Ecyd de Brasília-DF, Brasil.